Posts from the ‘George Seurat’ Category

Hello!

vim aqui novamente para postar mais algumas obras minhas, acho que vocês tem o direito de aprecia-las.

A Sunday Afternoon on the Island of La Grand Jatte

 (Uma Tarde de Domingo na Ilha de La Grand Jatte)

 

Acho que essa obra eu demorei uns dois anos para finalizar. Começei no ano de 1884 e terminei por volta de 86, mas gostei do resultado.

 

agora vou mostrar uma obra que usei retângulos de ouro, e logo abaixo a imagem onde esta localizado esses retangulos.

 

O sena da Grande Jatte, Primavera – 1887

Port-en-Bessin, a Ponte e o Cais – 1888

Jovem a Empoar-se – 188/1890

Por hoje é isso galera, espero que vocês tenham gostado! Bye bye.

Hi *-*

 

Oi pessoal, então… voltei! Consegui mais dinheiro aqui e paguei mais uma hora na Lan house.

Vou postar algumas obras minhas, para vocês conhecerem um pouco mais da minha vida, isso é se essa internet colaborar.

 

 

 

 

The Eiffel Tower – 1889 

     Essa provavelmente é a minha obra que vocês blogueiros mais veem na internet, e particularmente, admito que ficou muito bacana. Imaginem vocês, a quantidade de pontos que foi utilizada para a construção deste quadro.

 

E esse sou eu, George Pierre Seurat

Agora já estou indo querido internautas, vou dividir o tempo da Lan com um amigo aqui, sabe como é né, logo que der volto para postar mais coisas para vocês. Bye bye!

Hi!

Hi queridos internautas, foi um sacrifício conseguir acessar esse blog pra poder falar um pouco da minha vida, a internet aqui nesse mundo não é fácil.

Sou Georges Pierre Seurat, nasci no dia 2 de dezembro de 1859 (nem faz tanto tempo), na Rue de Bondy, nº 60, em Paris. Meu pai se chamava Chrysistome-Antoine Seurat, e já foi oficial de diligencias em La Villette. A minha mãe, Ernestine Faivre, era descendente de uma família abastada da classe média de Paris. Eu nunca fui muito apegado a ela, mas sempre fui muito carinhoso, afinal ela era minha mãe, e ela também era muito amorosa comigo.

Durante o tempo de instrução escola, que foi do ano 1869 até aproximadamente 1876, a pintura começou a fazer parte da minha vida, através do meu tio materno, Paul Haumonté-Faivre, que também era pintor.

Por volta de 1875 até 1877, frequentei um curso de desenho, em uma das escolas estatais da cidade, onde o escultor Justin Lequien era o diretor e foi nessa época também, que a minha amizade com Edmond Aman-Jean teve inicio.

Ah, já ia me esquecendo, em 1878 estudei Gramática das Artes do Desenho de Charles Blanc, essa experiência foi muito bacana, lembro-me das poucas e engraçadas pessoas que também faziam o curso.

Em fevereiro desse mesmo ano, eu com o camarada Aman-Jean fomos admitidos na Escola de Belas Artes e nossa, a felicidade ficava estampada na nossa face. No dia 19 de março, ingressamos na turma de pintura de Henri Lehmann.

Enfim, vou falar um pouco do que foi a arte na minha vida, porque afinal foi o que mais me marcou e o que me fez fazer história.

O meu trabalho, como muitas pessoas falam era muito disciplinado e ordenado, e quem me influenciou a ser assim foram os meus mestres da renascença. Muitos colegas de arte tentaram me influenciar para a espontaneidade e a ausência de forma, mas rejeitei, porque não era o meu gosto e acho que nem me conseguiria ver pintando de outra forma, com isso reintroduzi a formalidade e a estrutura na pintura.

Nossa, agora vamos falar da década de 80! Foi um período muito excitante, pois havia muitas perspectivas do próximo século, e nós pintores adaptamos muitas coisas com isso. Novas teorias de cores, teorias cientificas e todo artista procurava um estilo mais descolado. Foi nessa época que comecei com a arte impressionista, e também com óptica.

Eu também contribui com a pintura francesa, porque introduzi uma técnica mais sistemática e científica, chamada divisionismo, ou para quem preferir,pontilhismo; eu dei o nome de Pintura Óptica, porque essa técnica consiste em separar as cores nas suas componentes, de maneira que elas não são sejam misturadas como pigmentos, mas sim com os próprios olhos, desde que as vejamos com a distancia certa.

Foi essa minha técnica que deu origem ao neoimpressionismo, e foi muito utilizada na arte do século XX. E muitas pessoas dizem que foi a minha técnica a precursora da televisão e da imagem digital.

Puuuuuuutz, deixa eu conta! Eu também recorri à técnica de simetria dinâmica, onde usava-se retângulos de ouro nas pinturas.

Bom, agora tenho que ir, porque meu tempo aqui na lan house já ta esgotando! Bye bye!